Uma das principais tecnologias em ascensão hoje em dia, a Internet das Coisas (IoT) está protagonizando profundas mudanças de paradigmas nos processos empresariais.

Esse tipo de inovação tem sido utilizado para garantir a redução de custos e a modernização para as companhias, de uma forma escalável e adaptável às mudanças no mercado. Além disso, é crucial para oferecer suporte à tomada de decisão por parte dos gestores.

Continue a leitura deste artigo e descubra como a IoT tem sido aplicada para otimizar a gestão de custos nas corporações.

Como a Internet das Coisas funciona?

A IoT consiste na utilização de dispositivos que capturam dados do mundo real, como temperatura, consumo de energia, entre outros. Eles são conectados por meio da internet e se comunicam entre si para prover inteligência a quem os gerencia. A grande vantagem é que a IoT pode ser aplicada em diversos contextos, com benefícios reais para quem deseja implementar.

Os tipos de redes que podem ser usados incluem Wi-Fi, bluetooth, chip, satélite, entre outros. Quaisquer outros podem ser utilizados, desde que sejam meios de comunicação seguros.

Nos objetos, são acoplados sensores que recebem informações e transmitem para uma central de processamento. Por isso, esse paradigma também agrega alguns desafios que se transformam em dificuldades e entraves para a implementação.

A associação brasileira de internet industrial realizou uma pesquisa no ano passado que deixou evidente essa dificuldade, principalmente no Brasil. Apenas 29% das empresas conhecem a aplicação da IoT nas indústrias e 65% ainda não têm nada implementado. Quando perguntados, os entrevistados alegaram que os obstáculos são a falta de garantia de retorno sobre o investimento e a cultura conservadora.

Mesmo assim, a expectativa é que a Internet das Coisas continue crescendo no futuro. A tendência é que movimente cerca de $520 bilhões até 2021.

Um dos motivos para isso é que a tecnologia tem se provado muito útil em diferentes contextos. Em um ambiente com muitos equipamentos, por exemplo, a rede de sensores viabiliza o compartilhamento de informações para otimizar o desempenho deles e de outros dispositivos. Isso tudo afeta positivamente a agilidade nas operações e a produtividade da organização, gerando um apoio às produções cotidianas.

Como a IoT ajuda na redução de custos?

A seguir, veremos alguns exemplos práticos de como a Internet das Coisas é aplicada para reduzir custos nas empresas.

Serviços de saúde

Uma das principais aplicações dessa tecnologia é em serviços de saúde. É possível monitorar os medicamentos e suprimentos dos pacientes e permitir que eles recebam atendimento fora do hospital. Os sensores ajudam os profissionais a desenvolverem proatividade diante dos sintomas, o que ajuda na prevenção das doenças e dos custos decorrentes disso.

Um exemplo de aplicação é o sistema Vaccine Smart Fridge, utilizado para monitorar o estado de vacinas e protegê-las com a refrigeração adequada. Assim, é possível garantir que as pessoas sejam vacinadas com segurança.

Outro case é o projeto Blue Sky, que busca acompanhar o progresso de pacientes de Parkinson, a fim de controlar informações sobre reações e os sintomas.

Espaços inteligentes

Os objetos também viabilizam a criação de espaços inteligentes, conectados para regular tráfego em cidades e tornar os sistemas emergenciais mais eficientes. Dessa forma, as tecnologias ajudam a reduzir tempo de resposta da polícia e de profissionais em emergências médicas, por exemplo.

Um exemplo é o Workplace Advisor, que gerencia e otimiza os locais de trabalho com o uso de sensores e Dashboards para análise. O objetivo é melhorar a produtividade e eliminar problemas operacionais que atrapalham o fluxo de trabalho.

Já o Croke Park é o primeiro estádio inteligente da Irlanda, com monitoramento do vento, análise com insights dos torcedores, controle de sistemas de drenagem e gerenciamento dos níveis de barulho para que não ultrapassem os limites.

Manutenção preventiva

Ferramentas de IoT geram dados que, quando processados por outros sistemas, viram insights para que a administração possa tomar decisões adequadas. Por meio da identificação de padrões na análise, os gestores conseguem prever situações de incidentes, como quando um equipamento está em um estado ruim, precisando de manutenção. Antes mesmo de parar as atividades e gerar prejuízos, o suporte é acionado para reparar os problemas.

Essa capacidade também se deve ao fato de que a Internet das Coisas possibilita a análise dos ativos em tempo real, o que favorece o controle de uma forma mais precisa. Assim, a comunicação sobre a saúde do maquinário é feita a todo momento com a central administrativa.

Com isso, menos custos são necessários, já que a companhia consegue produzir muito mais e controlar o uso dos equipamentos.

Eficiência energética

Outra das principais aplicações da IoT é para conseguir mais eficiência energética. É possível configurar os sensores para que sinalizem quando o uso de energia ultrapassar um limiar, acionando um dispositivo para efetuar desligamento automático, por exemplo.

Com o controle do gasto energético por equipamento, as companhias conseguem gerenciar para que isso não se torne um custo muito alto.

Como implementar IoT nas empresas?

A seguir, veremos algumas dicas de como instalar um sistema de IoT em uma corporação.

Fazer um levantamento

Antes de tudo, é importante criar um levantamento das necessidades da empresa e de como a IoT pode ajudar ativamente na redução de gastos. Com o devido planejamento, as ações são realizadas de acordo com o objetivo, para que ele seja cumprido da melhor forma possível.

Com isso, a tecnologia vai se adaptar exatamente às principais demandas da corporação, o que ajuda a maximizar o retorno sobre o investimento.

Listar os processos

Essa dica está associada à primeira, pois é uma continuação do levantamento das necessidades. Nessa fase o gestor deve levantar as atividades e funções dos dispositivos e sensores. Isso ajudará a compreender como esse paradigma afetará a sua organização e como beneficiará as operações diárias.

Isso é fundamental também para organizar as funcionalidades dos colaboradores. Assim, é possível utilizar os sensores para automatizar algumas tarefas e alocar os membros da equipe para trabalhos mais estratégicos.

Criar o gerenciamento

Um sistema de Internet das Coisas é composto por três partes: hardware, infraestrutura e aplicações. Ou seja, é muito mais do que simplesmente um conjunto de sensores. Por isso, antes de implantar um sistema desse tipo em uma organização, é preciso atentar-se para a arquitetura de gerenciamento e processamento — que deve ser uma infraestrutura robusta para analisar as informações e viabilizar a comunicação entre a rede IoT e as pessoas.

Buscar um parceiro

Também é importante buscar a ajuda de empresas especializadas para a instalação segura e precisa de um sistema que atenda às necessidades sem custos desnecessários associados. Com uma equipe externa os colaboradores da sua companhia ficam mais focados nas suas funcionalidades, ao passo que o suporte resolve as questões relacionadas à manutenção da rede.

A IoT é uma das tecnologias emergentes que fazem parte da transformação digital e que estão afetando positivamente as organizações, gerando benefícios reais. Diversas aplicações podem ser feitas para alcançar a redução de custos, mas a implementação deve seguir alguns cuidados para acontecer da melhor forma possível.

Viu como a Internet das Coisas pode ser útil? Assine a nossa newsletter para ficar por dentro de outros conteúdos como este!